17 de março de 2019

A CINCO PASSOS DE VOCÊ


Olá Leitores! 

O Falares Culturais foi convidado pela Paris Filmes, para a pré estreia do filme "A Cinco Passos de Você". O roteiro foi adaptado e já lançado como livro desde novembro de 2018. No Brasil pela Globo Sat.  

Poster do filme. Imagem da Internet


Assista o trailer abaixo:







SINOPSE: 

Aos dezesseis anos de idade, Stella Grant (Haley Lu Richardson) é diferente da maior parte dos adolescentes: devido a uma fibrose cística, ela passa muito tempo no hospital, entre tratamentos e acompanhamento médico. Um dia, conhece Will Newman (Cole Sprouse), garoto que sofre da mesma doença que ela. A atração é imediata, porém os dois são obrigados a manter distância um do outro por questões de saúde. Enquanto Stella pensa em quebrar as regras e se aproximar do garoto da sua vida, Will começa a se rebelar contra o sistema e recusar o rigoroso tratamento.



Cole Sprouse interpreta Will. Imagem da Internet.




OPINIÃO (SEM SPOILER)

Leitores, sim, é muito semelhante ao famoso "A Culpa é das Estrelas"- Do John Green. Até a trilha sonoro é parecida. O que faz os pelos do braço se arrepiarem ao longo de toda trama, que inclui, mortes, dor, tratamentos, cirurgias de última hora, risadas, e aquela sensação de que cada personagem está atuando em cada cena como se fosse a última.  

Clichê? Possível, mas aquele clichê cativante e repleto de carisma. Eu segui firme ao longo da trama, porém não consegui conter as lágrimas nos 30 minutos finais. 

O desempenho dos protagonistas Haley Lu Richardson (de Fragmentado) e Cole Sprouse (de Zack e Cody e Riverdale) te leva para um cenário atual (internet, vídeos, etc) como também atinge o objetivo de fazer com que pensemos na nossa vida como um todo. Ponderando pelos problemas de uma cadeia até os mínimos. Cole perdeu 11 kilos para interpretar o personagem nos cinemas. 

Stella (Haley Lu), vive no hospital com diversos afazeres monitorados por ela mesma onde chega a apresentar semelhanças ao TOC (transtorno obsessivo compulsivo), de forma sútil e engraçada. Já Will (Cole Sprouse), leva a vida repleta de realidade onde a morte é apenas uma observadora esperando para ser convidada a entrar no quarto. 

É claro que, a rotina e entre laços deles muda conforme vão se conhecendo. Uma amizade repleta de amor, empatia, e uma triste distancia de 5 passos que, devido a doença dos dois, não podem se aproximar. Situação essa que deixa um nó na garganta ainda maior. 


Divulgação no Espaço Cinépolis JK em São Paulo. Foto Autoral. 

SOBRE A DOENÇA

Precisamos falar sobre Fibrose Cística, também chamada de mucoviscidose. 
Os personagens já nasceram com a doença que é genética e crônica. Segundo dados do governo, no Brasil o diagnostico chega de uma a cada 10.000 pessoas. 
Não há cura, apenas tratamentos. O problema atinge os sistemas respiratórios e digestórios, caracterizada pela produção de um muco mais espesso que o normal, levando ao acúmulo de bactérias e germes nas vias respiratórias e no pâncreas.  Atualmente é possível receber o diagnostico logo no teste do pezinho, o que ajuda a iniciar uma vida dentro dos padrões necessários para sobreviver com as restrições. 


 Campanha lançada para arrecadar fundos e conscientizar as pessoas sobre o assunto. Foto Autoral


OPINIÃO II (COM SPOILER)

A morte do ator coadjuvante Moises Arias (Poe), chega a ser assustadora. Não era de se esperar e foi tão envolvente que foi difícil não se emocionar. Momento que dá um desfecho diferente para a trama onde você fica apenas esperando qual dos dois será o próximo a morrer. 

O envolvimento do "trio" faz com que todo um quebra cabeça seja acalorado de emoções. Lembrando inclusive da atuação dos profissionais de saúde que possuem bom senso entre o que é humano de sensações e efeitos, ao que pode mesmo com restrições salvar uma ou mais vidas. 

É óbvio que o longa é repleto de justificativas "hollywoodianas". Como o hospital ter disponível garrafas com bebidas alcoólicas. Acesso "fácil" ao telhado e a piscina da unidade. Mas, nada que perca o brilho e o enredo do filme com tudo o que ele quer transmitir ao público. 

A irmã da Stella estar morta foi outro ponto bem "maquiado" durante o filme. A revelação monta o quebra cabeça como deve seguir ao seu final. 
  
Cena do Filme - Imagem da Internet. 


SOBRE O EVENTO:

A Paris Filmes disponibilizou acesso ao evento de um membro com acompanhante na última terça-feira 12/03. O local escolhido foi no Cinépolis JK, localizado na Vila Olímpia em São Paulo. 
A recepção não deixou a desejar, foram distribuídas as senhas de acesso e nas salas, pipoca, água e um pacote com lencinhos para todos, é claro que dali, já sabíamos que a emoção estava por vir. 

Houve ainda sorte de 3 brindes para quem tivesse encontrado um papel embaixo da cadeira de forma aleatória e bem democrática. Acredito que a Paris Filmes atingiu a expectativa de todos e o filme também. 


A Cinco Passos de Você estreia no cinema Nacional nesta quinta-feira 21/03. Recomendo um lencinho e uma água para reabastecer as energias. 


Divulgação do Evento - Espaço JK Cinépolis - Foto Autoral.


A Atriz Klara Castanho estava no local na noite da pré estreia. Foto Autoral


Duração: 1h 56min
Direção: JUSTIN BALDONI
Gêneros: ROMANCE, DRAMA
Nacionalidade: EUA












25 de janeiro de 2018

TARTARUGAS ATÉ LÁ EMBAIXO


Olá Leitores(as), tudo bem??

Voltando a ativa, e com resenha, sobre o último livro do amado John Green - Autor de A culpa é das Estrelas entre outros. 


Capa do livro BR - Foto Própria


"É muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu."



SINOPSE:

Aza Holmes não está disposta a sair por aí bancando a detetive para solucionar o mistério do desaparecimento do bilionário Russell Pickell, mas há uma recompensa de cem mil dólares em jogo, e sua melhor amiga, a destemida Daisy, quer muito botar a mão nesse dinheiro. Assim, as duas vão atrás do único contato que têm em comum com o magnata: o filho dele, Davis. 

Aza está tentando. Tenta ser uma boa filha, uma boa amiga e uma boa aluna, mas, aos dezesseis anos, ainda não encontrou um modo de lidar com as terríveis espirais de pensamento que se afunilam cada vez mais e ameaçam aprisioná-la.

Neste livro arrebatador e sensível sobre amor, resiliência e o poder de uma amizade duradora, John Green conta a tocante história de Aza, lembrando que a vida sempre continua e que muitas surpresas nos aguardam pelo caminho. 




OPINIÃO (CONTÉM SPOILERS):

Após um hiato de seis anos, John Green lança outra obra e mesmo com o passar do tempo, consegue prender o leitor do começo ao fim. 
Desta vez, entramos no mundo da Aza, uma menina que tem TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), uma doença que vai muito além do que conhecemos superficialmente. Não se trata apenas de organização ou de querer estar sempre limpo. Mas sim, da influência da nossa mente, nas nossas ações e medos mais secretos. 

Seu pai já faleceu, sua mãe é uma das professoras da escola onde estuda, e sua melhor amiga, fã e escritora assídua de fanfics sobre Star Wars, fazem parte do enredo que cerca a personagem que vive em uma espiral de pensamentos perturbados sobre um receio de pegar qualquer bactéria e morrer dentro de horas. 

E para completar essa história, temos Davis e Noah Pickell, filhos de um milionário desaparecido, após uma denúncia de suborno e corrupção. Tal sumiço envolve a trama que se descarreta em um carinho do passado, já que Davis e Aza se conheciam desde os onze anos. 

Conseguimos ilustrar facilmente o cenário criado por John Green, desde a mansão, até as noites na lanchonete e um triste acidente que atinge Aza. O transtorno é abordado durante todo o livro, e chama muito atenção.  Tal situação, é descrita com tanta enfase pois em um vídeo do escritor, ele se abriu ao contar que sofreu o problema e que sim, há chances de se curar e conseguir seguir a vida. 

Mais uma obra repleta de envolvimento que vale a pena ser lida. Com personagens femininos fortes e encantadores. 
Espero que não pare de escrever e que o próximo hiato não seja tão grande. 



Autor John Green, com sua mais nova obra. Imagem da Internet














John Green, autor de A culpa é das Estrelas; Quem é você, Alasca?; Cidades de Papel e O Teorema Katherine, é um dos escritores contemporâneos mais queridos pelo público, com mais de 4,5 milhões de livros vendidos no Brasil. Citado pela revista Time como uma das cem pessoas mais influentes do mundo, mora com a família em Indianápolis, nos Estados Unidos. 


1ª Edição - Outubro de 2017
Editora - Intrínseca 
Páginas - 269 


"Posso resumir em três palavras tudo o que aprendi sobre a vida: a vida continua"


Assista ao vídeo onde John Green fala sobre TOC e seu livro: